Sete Gráficos para Compreender a Reforma da Previdência

Sete Gráficos para Compreender a Reforma da Previdência

O sistema atual da Previdência foi criado em um contexto onde o Brasil contava com um grande números de jovens e poucos idosos, realidade que está mudando rapidamente. A população brasileira passa por grandes transformações e isso exige mudanças as quais adequem nosso sistema previdenciário a nova realidade demográfica do país. As famílias já não têm tantos filhos como antigamente e a expectativa de vida do brasileiro alcançou a média de 76 anos, de acordo com o IBGE.

Além das questões demográficas, o governo aponta que o sistema previdenciário auxilia na concentração de renda ao privilegiar grupos ligados ao poder público. Confira 7 gráficos que mostram a importância da Reforma da Previdência para o Brasil:

 

1 – Envelhecimento da População

De acordo com os dados, a população brasileira está envelhecendo. As taxas de natalidade do Brasil estão diminuindo, fato demonstrado pela contínua diminuição da população de 0 a 14 anos. Além disso, há um aumento no contingente de idosos na população. De acordo com o IBGE em 2000 o Brasil tinha 5,6% de idosos na sua população. Em 2015, esse número chegou a 8,4%. Em 2030, as projeções do IBGE são de 13,5% de idosos compondo a população. Esse número deve alcançar 17,4%, em 2040, 21,9% em 2050 e 25,5% em 2060.

Outro fato importante é a queda no número de nascimentos(tiraria essa frase). A realidade brasileira não é mais aquela onde uma família tinha vários e vários filhos. Hoje as famílias estão menores. Em 2000, 30% da população brasileira tinha de 0 – 14 anos, em 2030 esse número será de 19%. Com menos pessoas nascendo, menor o número de pessoas contribuindo com a Previdência no futuro e assim, mais cara será a contribuição dos jovens na ativa.

Uma vez que o sistema previdenciário brasileiro é financiado pelos trabalhadores na ativa, em alguns anos teremos uma quantidade cada vez menor de pessoas para sustentar uma quantidade cada vez maior.

 

2 – Expectativa de sobrevida

Nas últimas décadas, a expectativa de vida no Brasil vem aumentando. Isso quer dizer que as pessoas vivem mais e portanto, passam mais tempo recebendo seus benefícios previdenciários. Dessa forma, os gastos do país com a previdência, de modo geral, tendem a aumentar.

Apesar de expectativa de vida ainda ser discrepante entre as regiões do Brasil, a expectativa de sobrevida – o dado que de fato importa para analisarmos o estabelecimento de uma idade mínima– é bem mais homogênea. A partir dos 60 anos de idade, as pessoas vivem em média até os 81 anos.

 

3 – Desemprego 

Nessa década, o Brasil passou por uma grave crise econômica, o que resultou num elevado número de desempregados. A Reforma da Previdência é fundamental para que o Brasil retome um elevado patamar de investimentos e que a tendência de desemprego seja revertida.

 

 

4 – Crescimento da Dívida Pública 

Hoje, o Estado brasileiro apresenta um elevado déficit público. Isso quer dizer que o governo gasta mais do que arrecada. O Brasil precisa de alguma forma financiar suas obrigações, o que no caso brasileiro acaba sendo feito por meio da dívida pública.

A Previdência, na sua forma atual, é responsável por uma grande parte do gasto público. Portanto, uma das responsáveis pelo crescimento da dívida pública. A Reforma da Previdência tende a reverter essa trajetória de crescimento da dívida.

 

5 – Previdência Brasil e Mundo 

O Brasil já gasta com Previdência 13,4% do PIB (sem contar BPC). Gastamos com a previdência como uma nação já envelhecida. Países europeus, como Alemanha e Dinamarca, bem mais envelhecidos que o nosso, também gastam cerca de 13% do PIB com Previdência.

Considerando que temos uma razão de dependência (população maior de 65 anos dividida pela população de 20 a 64 anos) na casa dos 13%  e que países com essa razão de dependência tendem a gastar  na casa dos 7% do PIB com Previdência, nota-se como nosso gasto previdenciário é demasiado alto.

6 – Comparação dos Valores Pagos 

O Benefício médio mensal pago para aposentados do executivo federal é de R$ 8.478,00 ao mês. Já para o legislativo federal esse número chega a R$ 26.823,00 ao mês. Por fim, no judiciário federal o valor é de $18.065,00 ao mês. No RGPS (regime em que o cidadão comum se aposenta), esse valor é de R$ 1.290,00 mês.

A proposta de reforma apresentada pelo governo pretende equiparar os diferentes regimes, ao estabelecer um teto comum para todas as aposentadorias, de R$ 5.839,45.

 

7 – Déficit do INSS 

Nos últimos anos, observou-se de forma geral um aumento do déficit no INSS. A Reforma da Previdência vem para combater o crescente rombo e tornar o sistema sustentável.

Os gastos com as aposentadorias do INSS e servidores públicos federais correspondem a mais da metade das despesas primárias do governo.  Um dado demonstra como a previdência no Brasil é injusta. Enquanto 30 milhões de contribuintes no INSS geram um déficit de 195 bilhões de reais, menos de um milhão de funcionários públicos federais aposentados geram um déficit de 90,3 bilhões.

 

QUER SABER MAIS SOBRE A REFORMA? CONFIRA OS VÍDEOS ABAIXO: